23 de dezembro de 2006

Prendas.


Vocês... Vocês sim, são as verdadeiras prendas de Natal. Obrigada, Pai Natal... =)

[obrigada por... Cath, Cláudia, Cris, Kris, Luísa, Mana, Mãe, Dina, Freak, Guida, Iolanda, Méri, Katy, Pai, Jane, Joana, Kapa, Mari, Pedro, Liliana, Pia, Karina, Nuno, Vanessa, Poka, Miguel, Marco, Pires, Nana, Rita, Sandra, Cat, Nês, Rui, Vânia, Vera, Inês, Francisco, Bruno, Andreína... e por outros que não couberam aqui, mas que cabem cá dentro... sempre. =)]

13 de dezembro de 2006

Momentos

"Há momentos que não se repetem..."



Vim escrever só para dizer, uma vez mais, como vocês são importantes... Obrigada por um jantar com inúmeras peripécias, com o quadro a ir abaixo, com direito a prendinhas de Natal e tudo... Obrigada, A.M.I.G.A.S., vocês são mesmo especiais... =)

E o melhor de tudo? É saber que, daqui a muitos muitos anos, nada vai mudar, porque a amizade que nos une é forte demais... Gosto muito de vocês! =) [*]



(obrigada mãe pelas receitas e dicas culinárias maravilhosas que fizeram as nossas delícias! És linda! =D)

5 de dezembro de 2006

Cobras e Pirilampos

Porque nesta época eleitoral se descobre a verdadeira natureza de muita gente... E se percebe que às vezes sabe bem ser ingénuo só para não ver as maldades que há por aí fora... Fica uma pequena "fábula" que noutro dia li em qualquer lado... Dedicada a algumas cobrinhas que andam por aí à solta a perseguir os pirilampos...


«Um dia uma cobra começou a perseguir um pirilampo para o comer. Rastejou durante imenso tempo atrás dele mas não o conseguia apanhar. No entanto, o pirilampo já estava a ficar exausto e sabia que a sua vida não duraria muito mais... Decidiu render-se. Parou e perguntou à cobra: "Posso perguntar-te umas coisas?", ao que ela respondeu "bom, já que te vou comer, faz lá as perguntas...". Então o pirilampo perguntou: "Faço parte da tua cadeia alimentar?", "Não!", "Fiz-te algum mal?", "Não!", "Então porque é que me persegues?"...

"PORQUE NÃO SUPORTO VER-TE BRILHAR!"»


É pena que as pessoas não aguentem o sucesso dos outros... E não suportem que esses outros sejam humildes o suficiente para não se gabarem desse mesmo sucesso. =P

Lista E!!! =D

É bom poder dizer - obrigada!
É bom sentir que os nossos colegas (porque isto é de igual para igual) confiam em nós.
É bom saber que há quem acredite que há quem possa fazer mais.
É bom saber que para além de todas as questões, há algo que impera - a vontade das pessoas.
É bom perceber que a responsabilidade está agora do nosso lado e que cabe a nós não desiludir.
É bom poder confiar novamente em 14 pessoas para trabalhar, lutar e construir muito.

É... para trabalhar! E é assim que somos um pouquinho mais felizes! Porque como já alguém disse... "ser feliz é fazer felizes" e eu sou feliz por ter a oportunidade de fazer a vida académica dos alunos da FFUP um pouco mais feliz neste ano que começa... =)

Obrigada lista E, porque são definitivamente grandes Pessoas, com letra maiúscula, Pessoas com maturidade, com responsabilidade, com ideias e com vontade de fazer muito! Porque (alguns) são pessoas que estou a descobrir mas que já me trouxeram muitas surpresas boas! Porque (outros) são pessoas a quem felizmente já posso chamar Amigos e que, também por isso, é bom ter-vos uma vez mais por perto...

Obrigada colegas da FFUP, por acreditarem em nós, por depositarem nos E's a vossa confiança e por nos darem a oportunidade de mostrar trabalho... Não vos iremos desiludir! =)


Viva a E! Ah, claro... Porque se não fosse para trabalhar, não estaríamos aqui! =)

AEFFUP

«“Bom é ir à luta com determinação, abraçar a vida e viver com paixão, perder com classe e vencer com ousadia, porque o mundo é de quem arrisca e a vida é demasiado importante para ser insignificante!”
Bom é abraçar um projecto como o de uma Associação de Estudantes, vivê-lo com a paixão da certeza de tudo o que se pode fazer e construir, perder algumas coisas com a classe de quem sabe que pode melhorar e vencer os desafios com a ousadia de querer sempre mais.
Bom é encontrar um grupo forte, decidido, trabalhador, que nos ajuda a ser mais e melhores e a crescer neste mundo que é o associativismo. Bom é poder dizer, apenas em seis meses de AEFFUP, que vale a pena! E que quem não tem a capacidade de arriscar ser mais, dar mais, viver mais, passará apenas pela vida universitária em vez de a viver. Basta querer, basta tentar, basta lutar.»


[Preâmbulo do Relatório de Actividades da Secretária da AEFFUP 05/06 - eu!]



Esperei que passassem as eleições para que este blog não fosse motivo de polémicas (caso alguém interessado nessas polémicas o leia...). Esperei para escrever um pouco sobre o que foram estes seis meses de AEFFUP.

Tirei este texto do preâmbulo do meu relatório de actividades porque acho que nada de melhor me pode ocorrer sobre o que é ser dirigente associativo e, sobretudo, o que é sê-lo na AEFFUP e com esta direcção.

Meus queridos, foi bom demais poder partilhar convosco inúmeros momentos inesquecíveis, e vocês sabem o quanto cada um me marcou... Sabem que são importantes, especiais, e únicos, cada um de vocês. É magnífico chegar a este período de transição com a certeza que fiz 14 novos amigos, de verdade. Pessoas com quem sei que posso contar a qualquer momento e em quem confio a 100%. Pessoas que me dizem muito... e a quem espero nunca desiludir. Gosto muito de vocês... Mesmo.

E termino (porque hoje vou escrever mais sobre outras coisas...) com mais um excerto do meu relatório... =P

[Agradecimentos...] «Ao Francisco, por tudo o que me ensinou e pela disponibilidade que sempre teve para me orientar dentro da Associação. À Luísa, pela amizade construída e por toda a ajuda que me deu para que eu fosse sendo parte daquele grupo. Ao Luís pela paciência e calma tão necessárias quando uma discussão ficava mais acesa. À Filipa só porque foi, é e continuará a ser uma caixinha de surpresas. À Cristiana pelo ponto de apoio que foi, dentro de um grupo que eu não conhecia tão bem. À Katia, pela amizade incondicional, pelo carinho, pela Paz que me consegue trazer, simplesmente pela pessoa maravilhosa que é e que tenho o privilégio de conhecer. À Cláudia por me ter feito sentir útil, importante e integrada. À Joana Pereira, por tudo o que esta AEFFUP nos trouxe de bom. À Joana Lopes pelo exemplo de trabalho dedicado que me fez aprender o que é na verdade fazer parte da AEFFUP. Ao Marco, pela disponibilidade, paciência e ajuda que nunca me negou. À Karina pela boa-disposição constante, pelo sorriso que tornava tudo mais simples. Ao Nuno porque talvez tenha sido a pessoa a quem mais recorri em busca de ajuda. Por fim, e sobretudo porque os últimos são os primeiros, à Mariana, pela energia, vida, vontade, alegria e capacidade de trabalho, pela magia do seu sorriso e pelo privilégio que é conhecê-la. (...) Obrigada a todos os que me deixam e me ajudam a voar.»

2 de dezembro de 2006

Sabes, Cidade?

"(...) Sabes, Cidade,
que é para ti que nesta semana se agitam fileiras de malta em alvoroço,
que é por ti que se levantam no ar estandartes de todas as cores,
que é por ti que eles se abraçam, se comovem,
que neles se entranham palavras de ternura e saudade.
Sabes que no fim da noite, Cidade,
no silêncio de cada quarto,
no abandonar da sebenta,
no despir das capas e das batinas,
é de ti que eles se lembram…
Lembra-te deles também, Cidade nossa! (...)"
[Magnum Consilium Veteranorum]
É por ti, Cidade, por ti, por nós, por tudo o que somos em ti e por tudo o que és em nós.

28 de novembro de 2006

Eu queria...

"Eu queria ser o Mar de altivo porte
Que ri e canta, a vastidão imensa!
Eu queria ser a Pedra que não pensa,
A pedra do caminho, rude e forte!

Eu queria ser o Sol, a luz intensa,
O bem do que é humilde e não tem sorte!
Eu queria ser a árvore tosca e densa
Que ri do mundo vão e até da morte!

Mas o Mar também chora de tristeza...
As árvores também como quem reza,
Abrem, aos Céus, os braços, como um crente!

E o sol altivo e forte, ao fim de um dia,
Tem lágrimas de sangue na agonia!
E as pedras... essas... pisa-as toda a gente!..."


["Desejos vãos" - Mariza]



[sim, viciei-me em Mariza. e esta música... é qualquer coisa. mesmo mesmo linda =D]

26 de novembro de 2006

Só porque sim.

"Quem dorme à noite comigo
É meu segredo,
Mas se insistirem, lhes digo,
O medo mora comigo,
Mas só o medo, mas só o medo.

E cedo porque me embala
Num vai-vem de solidão,
É com silêncio que fala,
Com voz de móvel que estala
E os perturba a razão.

(...)"


["Medo" - Mariza]




[por nada em geral e por tudo em particular. por muito e por pouco. só porque sim.]

11 de novembro de 2006

Congresso = Sucesso

É pá, pelo menos é o que se conta lá para os lados da AEFFUP!

Coffee-breaks à parte, em que a malta vai enfardar e nem dá tempo para respirarmos, foi mesmo um mega-sucesso! Quer dizer, até os coffee-breaks foram bons, só que ninguém os via! =P

E passou mais um mega-evento AEFFUP... Claro que, com a malta que pomposamente pertencia à "Comissão Organizadora" não podia ser melhor, não é? Somos os maiores, pá! Bai buscare! =P

E ficou uma vez mais a certeza de que fiz o que tinha que fazer quando aceitei o convite daquele telefonema fatídico do dia 1 de Junho... Os amigos que ganhei... Não tem descrição. Adoro-vos meninos! [*]



(Começando pelas meninas, da esquerda para a direita - Katia, Mari, Cris, Cláudia, Luísa, Freak, Eu, Joana e Joana - falta a Karina. Quanto aos meninos, também da esquerda para a direita - Déu, Poka, Laranja e Marco. A grande Comissão Organizadora!!!)

27 de outubro de 2006

A.M.I.G.A.S.

Imaginem "bué de gajas". Agora imaginem que elas são amigas. Imaginem que são loucas, divertidas, espectaculares e ainda, "conversadeiras". Continuando, imaginem que elas uma vez por semana, decidem juntar-se e fazer um mega-encontro (porque isso é o mínimo para descrever aquelas noites), que inclui compras loucas no Lidl, cozinhar (aquele franguinho, Katia... tava qualquer coisa!), jantar e muuuuuuuuito corte e costura.

Imaginaram tudo? Então parem de imaginar e tenham medo, tenham muuuuuito medo... Porque isto EXISTE DE VERDADE!


Isto de que vos falo é a A.M.I.G.A.S. e... é algo da mais pura excelência. Agora vá, invejem, roam-se, encarquilhem-se todos que este grupo magnífico... É MEU!!! =)

Gosto muito de vocês, gajas! [*]

5 de outubro de 2006

Magia

Magia é fazer de uma noite comum um momento inesquecível. Magia é ver um grupo de pessoas moverem-se em torno de um projecto, de uma ideia nova, de um trabalho que é e será sempre de todas. Magia é surpreender um público (muito) especial com um momento memorável, em que as Sirigaitas mostraram o que ainda são capazes de fazer...

Magia é ser feliz por ser da Tuna, é ser feliz porque vocês estão comigo. É ser feliz por vos ver felizes com algo que eu iniciei, mas que só se tornou no que é hoje, por vossa causa!


Obrigada, Sirigaitas... por terem feito do meu primeiro Siriphonias uma noite mágica. =)



( e daqui a uns tempos virão fotos... =) )

19 de setembro de 2006

Porque...

Porque são as melhores amigas que alguém podia querer. Porque ouvem, falam, riem e até choram (às vezes de tanto rir...). Porque brincam e falam a sério. Porque abraçam quando é preciso. Porque sabem quando sorrir e quando abraçar. Porque sabem quando estou triste e quando estou alegre. Porque me fazem sentir em casa mesmo quando estou a 70km dela. Porque me fazem sentir especial. Porque foram à minha casa e tornaram um fim-de-semana banal em 3 dias fabulosos.

Porque me descobriram. Porque vos descobri. Porque agora que entraram na minha vida... azar, já não saem! Porque são 5 pessoas maravilhosas e Amigas com letra maiúscula.

PORQUE SOMOS POWER FFUP!!!



(cima - Inês, Vanessa, meio - Rita, Sandra, baixo - Vera)

Obrigada, amigas. =')

10 de setembro de 2006

Santiago.

"(...) Voltamos cansados do corpo mas revigorados da alma. Voltamos à nossa terra contar como foi caminhar por outras terras, descobrir-Te noutras caras e noutras mãos, noutras vozes e noutros sorrisos, na mesma Fé. Voltamos para contar como queremos deixar crescer a nossa semente numa casa sem tecto, para que nada a limite.

Voltamos. Cáritas e Omonóia, Macaristês e Dicaiossunê, Üpourguia e Alêtheia, Nóêma e Elpís, Dünamis e Issótês. Voltamos para Ti, porque só Tu és a força e o alento que nos guiou ao exemplo de São Tiago.


Voltamos cheios de histórias, cantos, momentos, risos, choros, símbolos. (...)"



Escrevi isto num rasgo de inspiração, para a introdução à Eucaristia que foi celebrada ontem, em recordação da nossa Peregrinação a Santiago de Compostela, há uma semana atrás.

Desde o dia em que voltei, ando à procura das palavras para vos contar o que foi. É difícil, muito difícil, acreditem. Talvez porque foi sobretudo um espírito, uma força, uma vida e uma vivência em grupo que não são simples de pôr em palavras. Não é fácil explicar uma mão que nos ajuda quando queremos desistir, um sorriso que nos alimenta quando apetece chorar, um canto que traz a alegria essencial ao continuar do caminho.

Não é fácil explicar um grupo que se une em torno de um objectivo comum - COMUNIDADE. Um grupo que se une para percorrer um caminho, a todo o custo, para que todos possam atingir o objectivo de alcançar a Catedral de Santiago. A Catedral sem tecto, como diz o meu amigo Neco... Aquela que nos permite deixar crescer a nossa sementinha sem limites, até ao infinito, até onde conseguirmos ir... Sem medos, sem desistências, só com uma força e uma vida espantosas, que fazem de nós UM SÓ.

É fantástico como 24 pessoas que mal se conhecem conseguem tornar-se um grupo de caminhada. Não um conjunto de caminhantes, mas um GRUPO de caminhada. Fomos grupo, fomos a mão amiga no caminho, fomos nós próprios, uns para os outros. Obrigada Nopís, pelo orgulho e a honra que foi fazer caminho convosco, aprender convosco.

É ainda mais maravilhoso como se consegue levar 135 pessoas a percorrer um caminho com uma mesma Fé, um mesmo objectivo, uma mesma meta. Parabéns JA, parabéns Grão-Mestre e Guardiões da Luz, porque conseguiram levar todos os Cavaleiros, Animadores e Aprendizes a bom porto. Obrigada, amigos, por esta maravilhosa oportunidade...


Agora, é manter a chama de Lux, Pax, Vitae acesa dentro de nós e apagada na vela... Manter o equilíbrio, lutar para que a ordem não se quebre. Está só nas nossas mãos... vamos deixar o sentimento morrer? Eu não. "Aqui estou eu, para Ti Deus, Tua voz ouvi a chamar..."


"(...)Voltámos, Senhor. Eis-nos prontos a celebrar a alegria do caminho percorrido, a vida do grupo que somos e a certeza do caminho que queremos trilhar – o Teu."

30 de agosto de 2006

Vou.

À procura de mim e de quem está perto, à procura de perguntas e de respostas, de lágrimas e de sorrisos, de cantos e de silêncios.

Vou à procura de Paz e Alegria, vou pôr-me a caminho. Vou com passos pequeninos, não maiores que as minhas capacidades. Vou com bóias que me vão ajudar a flutuar, há quem lhes chame Amigos. Vou ajudar, espero, outros a caminhar como eu.



Vou.

Volto no domingo, certamente com muito para contar... E a alma cheia, espero eu! Levo-vos, amigos e penso em vós, sempre, com carinho. [*]

28 de agosto de 2006

Voltei.

Voltei para contar muitas histórias. Demasiadas até para um só post. Mas vou tentar...

Foi difícil tomar a decisão de escrever de novo. Tanto para contar, tantos sentimentos, tantas "aventuras" e tão poucas palavras. Como uma vez disse a umas amigas, "as palavras são curtas quando se sente tanto"...

Voltei depois de um acampamento de Agrupamento, uma Promessa de Caminheira, um acampamento de Clã, uns dias em Miranda do Douro, outros em Tomar e alguns em casa, também. Voltei antes da partida para Santiago de Compostela porque acho que esse tema merece um post só para si. =)

Fui passear pelo Vale das Essências, primeiro, contar histórias e aprender valores, cantar e sorrir muito, crescer imenso. Fui "sentir palpitar o coração" de tantos sonhos tornados realidade, de ver nos lábios daquelas crianças (e outras já não tão crianças) algo que eu ajudei a construir, algo tão simples como meia-dúzia de versos que nos cansámos de tanto cantar!



"Procurei por toda a parte, um lugar para viver, conviver, sonhar, sorrir... Um lugar para ser feliz! Nesta aldeia sorridente, encontrei um sol brilhante que contigo quero partilhar... Vem sentir palpitar o coração, vem cá vem, vou pegar-te pela mão... Vem... Ao Vale das Essências! Vem sentir o mundo na tua mão..."

E eu senti.


Recebi o lenço vermelho e senti o seu peso, a responsabilidade de deixar de ser servida para passar a servir. O rumo do Homem Novo, a vontade de o trilhar, a vontade acima de tudo de ser Caminheira de pedra e cal neste Clã que me acolheu e me abriga.

Parti então para outra aventura, com esse mesmo Clã, essa minha segunda família. Vivemos momentos bons e maus, falámos e discutimos, rimos e chorámos, crescemos. Pelo menos, eu cresci. Aprendi a ser mais e melhor. Aprendi a ser pequenina e a, mesmo assim, brilhar. Aprendi que não é preciso querer ser grande para brilhar. Às vezes até atrapalha... E, com todas as dificuldades, vivi mais um dos acampamentos que não poderei esquecer, por muitas boas razões!

"Aqui estou eu, para Ti Deus, Tua voz ouvi a chamar... E eu irei, Deus, se guiares... Minhas mãos a Ti servirão!"



E depois foi regressar a casa, à família. Partir à descoberta de um passado distante, reencontrar amigos que não conheci, mas que fizeram parte da história da minha família. Passear, conhecer, fotografar, pensar e sorrir. Chegar mais alto e mais longe...



Por fim, e com alguns dias de praia pelo meio de todas estas actividades, um fim-de-semana entre amigos, num pequeno paraíso, com muito descanso e boas conversas... E um local magnífico, a recordar, o Castelo de Almourol. Lá a minha amiga Inês ensinou-me a caminhar sobre as águas... =)


(as fotos estavam lentas, hoje, e eu com pressa. mais tarde ponho-as aqui.)




Agora, preparo-me para mais um desafio. Uma ida a Santiago de Compostela com um espírito diferente, um espírito de peregrina. Vou ao encontro de Cristo, com pessoas que me são queridas, e espero o melhor desta nova "aventura"... Depois regresso para contar como foi! =)

3 de julho de 2006

We will wait forever.


'Where'd you go? I miss you so...
Seems like it's been forever that you've been gone...'

16 de junho de 2006

Vatzlav.

Já não ia ao teatro há... anos. Sim, há anos. Sei que é um vergonha mas é a mais pura das verdades.

No entanto hoje redimi-me. Compensei anos de ausência visitando o Estaleiro Teatral (surpreendente, por sinal) e assistindo a uma peça simplesmente M-A-G-N-Í-F-I-C-A.

Vatzlav é algo de único, especial e sobretudo, diferente. Uma analogia de vida brilhante, um texto fabuloso a que dão vida um corpo de intérpretes realmente bom. Acho que não poderia ter vindo de lá com a alma mais cheia de tanta coisa: a alegria de umas horas bem passadas, o orgulho nos amigos que pisaram o palco com garra e atitude, donos de si mesmos e dos seus papéis, a inspiração de um texto com uma "moral" fabulosa que a todos deveria fazer pensar sobre "Quem é Vatzlav?" e afinal, quem é cada um de nós nesta ridícula micro-sociedade em que vivemos.

"Vatzlav, pai da Esperança, que do outro lado da margem nos convida e aguarda na aventura do querer e desejar, sermos mais do que simples números em cadeia." Assim fala Jorge Fraga, criador desta magnífica obra de arte que todos deveríamos saber apreciar. Assim o percebi eu, simples espectadora, que vi em Vatzlav também um pouco de mim...


Vão ao Estaleiro, vejam "Vatzlav" e venham de lá tão ricos como eu vim. Mas não ricos como os poderosos Sr. e Sra. Morcego... mas ricos como Vatzlav, que só quer ser livre e feliz.



["Vatzlav", de Slawomir Mrozek, Estaleiro Teatral (Aveiro), terças a sábados até 8 de Julho, às 21h30. VALE MESMO A PENA. =)]

29 de maio de 2006

A eterna.

"Olhar-te um pouco,
enquanto acaba a noite...
Enquanto ainda nenhum gesto te magoa...
E o mundo for aquilo que sonhares,
nesse lugar só teu...

Olhar-te um pouco,
como se fosse sempre...
Até ao fim do tempo, até amanhecer...
E a luz deixar entrar o mundo inteiro
e o sonho se esconder...

Nalgum lugar perdido, vou procurar sempre por ti,
há sempre no escuro um brilho,
um luar...
Nalgum lugar esquecido,
eu vou esperar sempre por ti...

Enquanto dormes,
por um momento a noite
é um tempo ausente que te deixa demorar...
Sem guerras nem batalhas pra vencer,
nem dias pra rasgar...

Eu fico um pouco
por dentro dos desejos;
por mil caminhos que são mastros e horizontes...
Tão livres como estrelas sobre os mares
e atalhos pelos montes..."


['Nalgum lugar perdido' - a eterna, Mafalda Veiga]



Porque há dias em que ela simplesmente consegue dizer tudo o que sentimos e tudo o que queríamos dizer... =') *

22 de maio de 2006

Por vocês - Parte II

«'As coisas vulgares que há na vida
Não deixam saudade
Só as lembranças que doem
Ou fazem sorrir

Há gente que fica na história
Da história da gente
E outras de quem nem o nome
Lembramos ouvir

São emoções que dão vida
À saudade que trago
(…)

Há dias que marcam a alma
E a vida da gente
(…)'

[“Chuva” - Mariza]

Vocês sim, amigos, vocês deixam saudades, porque me fazem sorrir. Vocês ficam na minha história. E dias como o de hoje, em que vos tenho perto… marcam a minha alma e a minha vida.

Obrigada, por tudo. *»


E pronto. Mais um ano passou, sempre ao vosso lado. Obrigada por nunca me deixarem só... Gosto tanto de vocês... [*]

17 de maio de 2006

Por vocês - Parte I

«Foi então que, subitamente, a menina (que vivia no reino da Fantasia) olhou para o Céu e viu surgir uma estrela; depois outra e mais outra e de repente já o Céu estava cheio de muitas estrelas, que brilhavam muito. A menina gostava muito das estrelas, mesmo muito e, todas as noites, ela sorria ao ver as SUAS estrelas, e agradecia por elas brilharem, dia após dia, no seu Céu.»



Porque é tudo por vocês. Porque sem vocês não valia a pena festejar o que quer que fosse... Muito obrigada, estrelas, sobretudo as mais recentes do meu Céu, estas da minha segunda cidade... Gosto tanto de vocês... =') [*]

7 de maio de 2006

Impressões e emoções

Fica difícil escrever algo coerente por entre as lágrimas que escorrem. Parece que a bola de emoções que começou a crescer dentro de mim a partir do momento em que me vi, trajada, com algumas das pessoas que me são mais importantes, quis sair agora e não ontem, quando teria sido o momento.

Ontem começou uma nova etapa. Ontem mostrei, orgulhosamente, e pela primeira vez, o traje que representa uma vida nova que começo a amar. Ontem olhei, orgulhosa, tantos amigos que fiz e que tal como eu se orgulharam da capa que puseram sobre os ombros e que não deixaram de gritar com todas as forças 'Amo Farmácia e sempre te amarei, até ao fim...', porque realmente o sentem, com todas as suas forças.

Ontem, às palavras de abertura solene da Monumental Serenata da Queima das Fitas de 2006, vi o meu padrinho e a minha madrinha traçarem-me orgulhosamente a capa e percebi que eles são realmente duas das pessoas mais importantes que trago cá dentro... [obrigado Cris, obrigado Rui, por serem quem são, por me ajudarem a ser melhor a cada dia... orgulho-me de vocês!]

Ontem, vi grandes amigos fazerem questão de me traçar a capa, lágrima no canto do olho, amizade a transbordar por todo e qualquer poro e outros que abracei com força, porque sei que os tenho comigo para sempre. [obrigado Jane, Nana, Luísa, Freak, Valente, Francisco, Jorge, Henrique, Guida, Joana, Cat (maninhas p sp! =P), tantos tantos tantos... por me fazerem sentir que isto vale mesmo a pena!]

Ontem percebi que já estou completamente envolvida nisto e que, agora que entrei, jamais poderei sair. O espírito académico é uma rede que nos envolve e nos prende uns aos outros... E eu não quero sair da rede!

Sou feliz pelas pessoas que me rodeiam, pela vida que a FFUP, a Farmácia, as Sirigaitas, o Porto me trouxeram... Sou feliz porque convosco, amigos, tudo isto vale muito a pena. *

4 de maio de 2006

A Queima

está aí.

Mesmo mesmo aí.

Parece impossível... Começou ontem, o ano. Começou ontem, a praxe. Começou ontem, a vida nova. Começou ontem a Tuna, a diversão, o estudo, OS AMIGOS.

Sim, ninguém diga que é impossível arranjar Amigos verdadeiros, desses com A's maiúsculos, em tão pouco tempo, porque EU ARRANJEI! Eu encontrei pessoas fabulosas que a cada dia me fazem sentir mais em casa. Pessoas com quem vale a pena trabalhar, estudar, passear, conversar, rir, chorar. Pessoas que VALEM A PENA.

Daqui a cerca de 48h estarei de capa traçada, algo com que sonhei durante tanto tempo. Mais um momento que vou partilhar com tanta gente especial...

Obrigado, amigos, por me ajudarem a caminhar e a crescer. Obrigado, Farmácia e FFUP, porque AQUI EU SOU FELIZ! *

15 de abril de 2006

Ray of Light


Porque Ele é o meu Raio de Luz. Porque eu não tenho sido o que podia ser. Porque, uma vez mais, relembro que Ele morreu por mim e, uma vez mais, sempre acho que não mereço. Mas é assim grande o Seu poder... o poder de nos fazer sentir pequeninos, mas simultaneamente enormes porque Ele está connosco e isso faz de nós maiores...


'it hangs above my altar
like they hung him from a cross
i keep one in my wallet
for the times that i feel lost
in a wooden frame with splinters
where my family kneels to pray
and if you listen close
you'll hear the words he used to say

it has been spoken
he would come again
but would we recognize
this king among men

there was a man in our time
his words shine bright like the sun
he tried to lift the masses
and was crucified by gun

some days have no beginning
and some days have no end
some roads are straight and narrow
and some roads only ben
so let us say a prayer
for every living thing
walking towards a light
from the cross of a king

i've got a picture of jesus
in his arms my prayers rest
i've got a picture of jesus
and with him we shall be forever blessed
'

['Picture of Jesus' - Ben Harper]

Boa Páscoa para todos! =) *

10 de abril de 2006

Inspiração, onde estás?

Queria escrever algo novo, actualizar isto. Mas faltam ideias, faltam motivos e imaginação. E falta, sobretudo, inspiração... Mas enfim. Ela voltará. Como sempre...




'And you can't fight the tears that ain't coming
or the moments of truth in your lies
when everything feels like the movies
and you bleed just to know you're alive...
I just want you to know who I am.'

20 de março de 2006

A fantasia.

Era uma vez uma menina. Um dia - era apenas um dia como outro qualquer -, deixou-se cativar por um sorriso bonito e um olhar brilhante que a convidavam a subir a um reino diferente, melhor, mas... traiçoeiro. Era o reino da Fantasia. A menina foi, ingénua e feliz... À espera que tudo corresse muito bem, porque na sua ilusão o Mundo era mesmo mais bonito.

Então caiu. Foi a sua primeira queda e nunca mais a pôde esquecer... Percebeu que afinal o reino da Fantasia não era assim tão bom, às vezes as pessoas que lá subiam acabavam por cair desamparadas (ou às vezes amparadas por anjos, daqueles que nos ajudam a voar quando as nossas asas já não sabem como o devem fazer...) e magoavam-se muito.

Mas, mais cedo ou mais tarde, as pessoas acabavam por voltar a subir, como reparou a menina. Afinal, a ingenuidade era maior e o coração acabava por puxá-las de novo... Assim aconteceu de novo com ela. Um novo olhar, um novo sorriso, a mesma força a puxá-la para o reino de onde acabara de cair. E ela foi, ingénua como todos os outros...

Não tardou a cair, talvez ainda com mais força do que da primeira vez. Talvez porque da segunda vez o seu coração tinha sido mais matreiro, e a tinha puxado iludida com uma verdade que afinal talvez não fosse tão verdade assim... Talvez por isso, acreditou que desta vez ia ser diferente, que ia correr bem, mas isso não aconteceu. Caíra outra vez...

E voltou a subir, e voltou a cair. Quis ser mais forte, quis resistir, mas o olhar, o sorriso, o toque voltaram a puxá-la, e ela lá foi. Não tinha conseguido evitar. Estava outra vez no reino da Fantasia e, no íntimo de si, sabia que voltaria a cair em breve... Começou a perguntar-se porque é que subia, afinal de contas, se aquele reino parecia só lhe trazer quedas e dores (das da alma...). Não conseguiu arranjar resposta, nem sequer se esforçou muito. Parecia não poder fugir daquele ciclo...

Quando voltou a subir (porque lhe era inevitável fazê-lo), o sorriso e o olhar eram-lhe familiares. Eram os mesmos da primeira vez... Que estranho. E no entanto pareciam puxá-la, com igual ou maior força do que da primeira vez. Desta vez não caiu... Foi descendo lentamente, porque percebeu que não havia nada a fazer, aquela subida não lhe traria nada de bom.



Um sorriso vibrante iluminou o olhar da menina uma vez mais. Um sorriso totalmente novo, diferente de todos os outros. Cativou-a, mas agora ela tem medo e não quer subir... Porque ela quase que pode garantir que cairá de novo. Mas... se não subir, como saber se até podia correr bem, pela primeira vez? A menina... perdeu-se a caminho do reino da Fantasia.




'(...) à aventura, sente, a maresia e a madrugada,
corre... deixa-te levar pelo vento, quente,
que se cola ao teu corpo e te embala, sempre... até quereres voltar.
a fantasia, tem brilhos como as estrelas;
é morna e doce e apetece soltá-la a voar no mundo (...)'
[a sempre eterna... Mafalda Veiga.]

13 de março de 2006

Sou um ser...

perserverante
sistemático
idealista
independente
prudente
circunspecto
obstinado
prático
voluntarioso
correcto
sensato
consequente
egoísta
reservado
brusco
possessivo
orgulhoso
vaidoso
... e no amor
impetuoso
emotivo
carinhoso
dedicado
dominador
Enfim... sou TOURO! [21 Abril - 21 Maio]
(isto que aqui está encontrei eu numa tirinha de pano que o inquilino anterior da minha casa na Muy Nobre Sempre Leal Invicta Cidade deixou esquecido... e como eu por acaso até sou Touro, guardei! =) só não concordo com... 'independente', 'circunspecto', 'voluntarioso' e... quanto ao amor... não sei, alguém um dia me dirá.)

19 de fevereiro de 2006

O Tomás.

"E então o Tomás fechou os olhos por um segundo. O mundo à sua volta girava demasiado depressa para ele o conseguir acompanhar e precisava de parar. Parar e tirar aquele peso enorme de cima dos ombros. E então o Tomás chorou. Como uma criancinha a quem se tira um doce, talvez como nunca tinha chorado, porque nunca fora pessoa de exprimir emoções. Talvez por isso mesmo o estivesse a fazer agora, porque nunca o fizera antes, porque acumulara tudo o que o ia fazendo sofrer na sua alma que parecia encolher a cada dia que passava…

Naquela tarde de Outono, sozinho na praia, o Tomás chorou durante um tempo infindável. Chorou tudo o que ao longo de todos estes anos o magoara, tudo o que reprimira e que agora tinha de libertar, sob pena do seu coração, cada vez mais pequenino, explodir de vez! Não aguentava mais… E, incrivelmente, não havia nada que tivesse conduzido àquele momento, nenhuma gota de água a fazer transbordar o copo da alma… Muitos tinham sido os momentos em que engolira em seco e erguera os olhos, com a “força” que todos diziam que possuía, mas que só ele sabia praticamente não existir. Porque por detrás daquela máscara, escondia-se um Tomás muito mais fraco, que a cada dia era destruído um pouquinho por dentro, por um mundo que parecia não o compreender… Por aquelas coisas que, como as pessoas dizem, “não matam mas moem” e moem mesmo, vão corrompendo por dentro, sem que se possa fazer nada por isso. Apenas engolir em seco e erguer os olhos, sorrindo, como sempre fazia o Tomás."
['Desculpa, porque me preocupo contigo' - Eu]

15 de fevereiro de 2006

O xadrez da vida.

Já pararam para pensar como a vida pode ser parecida com um tabuleiro de xadrez? Quadrados claros, onde gostamos de estar e negros de onde fugimos. Quadrados. Pequenos para que não possamos lá estar demasiado tempo, nem nos deixemos ficar nos bons ou maus momentos por mais tempo do que seria desejado.

Saltitamos entre quadrados à procura de vencer na vida e atingir o outro lado do tabuleiro, 'comer' peças ao adversário, derrotar o outro para no final termos nós mais peças que o adversário. E se... as peças formos nós? Às vezes damos por nós restritos ao nosso pequeno quadrado de espaço, claro ou escuro, conforme o dia e o estado de alma, sem saber nem querer sair dali... Com medo de perder, de ser derrotado por um adversário que pode querer ocupar o mesmo quadrado que nós.



E continuamos a viver como peças de um tabuleiro feito de espaços claros e escuros...



Vai uma partidinha?!

14 de fevereiro de 2006

7 de fevereiro de 2006

O Fogo Hipnotizador.

Entrei de mansinho porque o lugar me era estranho. Era a sexta nuvem a contar da esquerda e junto à lareira esperava-me chá e chocolate... Melhor combinação?! Impossível... Sentei-me mesmo ao lado do fogo que me aquecia o corpo e a alma e me hipnotizava com a força das suas cores. Sempre fomos assim, eu e o fogo. Ele prende-me o olhar e aquece-me a alma, eu alimento-o com achas para que se mantenha sempre aceso (pelo menos na lareira da minha imaginação!)...

Aquele lugar era-me estranho, de facto. Mas o convite fora tentador... E eu sou tão gulosa! Sentada, esperei pelo anfitrião e de olhos fixos no fogo hipnotizador, acho que adormeci...

Quando dei por mim estava noutro sítio, com outras pessoas. O lugar já não me era estranho e as pessoas... Apesar dos seus rostos nada me dizerem, parecia conhecê-las desde sempre. Eram-me familiares, e além do mais, simpáticas e acolhedoras. Parecia que eu vivia e vivera ali desde sempre, no lugar do meu sonho. Senti o meu coração sorrir - era feliz! Tudo parecia... não direi perfeito porque até seria anormal se assim fosse, mas... Tudo parecia encaixar nos meus mais profundos desejos. Nas minhas mais insondáveis definições de Felicidade.

De repente, acordei de novo no lugar estranho. Era o anfitrião, que me entregava a chávena de chá e o pedaço de chocolate que deixei derreter na boca, ainda hipnotizada pelo fogo que me transportara ao Vale dos Sonhos... Onde me perdi... E fui feliz! Mas agora... Estava de novo na sexta nuvem a contar da esquerda e... continuava a ser um lugar estranho, embora agradável.

3 de fevereiro de 2006

Leva-me.

«Leva-me contigo, na palma da tua mão
Que eu já não consigo pisar mais este chão...»

Mão. Chão. Leva-me. Vamos voar... Fugir para um mundo onde os sofrimentos sejam apenas momentos passageiros que logo se esquecem. E as alegrias sejam memórias eternas de dias bons, de momentos felizes e de pessoas maravilhosas que diariamente cruzam os nossos caminhos. Como Tu.

Leva-me. Vamos voar para longe... Para onde a Fantasia reine e todos os nossos sonhos se possam tornar realidade. Para onde as pessoas valorizem o que lhes damos e o quanto nos entregamos... Para onde as crianças nunca cresçam e os idosos nunca envelheçam... Para um qualquer sítio onde não exista idade. Onde o tempo cristalize no momento que nos apetecer... Só para podermos apreciar por mais uns segundos aquele momento precioso que tantas vezes é fugaz. Aquele momento em que sentimos a Felicidade ali à distância de um passinho pequeno. Mas quando a vamos agarrar... Inevitavelmente ela nos foge das mãos e lá temos nós de percorrer mais um pedaço de caminho até a voltarmos a encontrar...

Leva-me. Vamos voar...






(mas para me levares... não será preciso que me encontres, primeiro?! estou mesmo aqui... mas pareces não ver, nunca ver.)

2 de fevereiro de 2006

Yupiiiiii!

Acabou, amigos! Acabou o suplício da época de exames! Não tenho de fazer nada em recurso!!! =) (para já, falta-me ainda saber Matemática...)

Estou tão contente. Superei-me! Fui capaz de vencer a primeira de muitas épocas de exames, com notas fixes e agora... com 3 semaninhas de férias à minha espera!!! =D

Ai, que alívio... =D Beijinho, beijinho, beijinho *

30 de janeiro de 2006

Secretaria vs Website FFUP

Alguém me explica para que é que serve uma porcaria de um site de uma faculdade se:

a) As notas demoram eternidades a ser publicadas (agora parece que está a melhorar, mas enfim...);

b) Dizem que os horários do 2º semestre são afixados às 18h do dia 30 de Janeiro e olhem, são exactamente 20h38 e ainda népias!!!

Ai minha Nossa Senhora... Alguém que explique àqueles/as atrasados/as mentais que as novas tecnologias servem para serem usadas!!! Enfim... Desabafo! *

23 de janeiro de 2006

20 de janeiro de 2006

Melodias



E vou tentando assim descobrir a melodia que a vida encerra. E que soará muito melhor, sem dúvida, quando puder um dia ser entoada a duas vozes...

11 de janeiro de 2006

Roupa nova! =)

Hmm... Cara lavada! =) Obrigada, Rui, pelo óptimo trabalho a dar um new look a esta espacinho... Já agora visitem o Rui - está mesmo aí do lado direito nos links! =P

Pois é verdade... Já passou o primeiro exame... Para a semana é que vai ser a doer: segunda, quarta e sexta! Ai Jízaz (como diria a Lu =P)!

Vou tentar ir passando por aqui... =) E para verem que eu até para Sesimbra fui estudar...



(só é pena que não dê para ver o Mar maravilhoso que se via daquela janela... =P) Beijo *

6 de janeiro de 2006

Exames!!!

Oh amiguinhos... Isto agora criou-se um problema grave... Vem aí o "berdadeiro" mês... Os "berdadeiros" exames... Biocel? Ai Biocel... E Física?! Ui... Para não falar em Química, Matemática e é claro, a tão amada Informática!

Bem, vai ser complicado mas vou tentar passar por aqui de vez em quando... Obrigada pelos comentários sempre liiindos... =) Beijito [*]